Polícia Militar/Divulgação
Pais enterram filho
Cova onde criança foi enterrada no quintal
Depois de pagar uma fiança de R$ 247, foi solto no início da tarde desta quinta-feira (12), na delegacia de Janaúba, Norte de Minas Gerais, o casal que enterrou o próprio filho no quintal de casa, em um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), na zona rural de Jaíba, na mesma região. A Polícia Civil está investigando o caso e admite que há possibilidade do menino, de 8 anos, ter sido assassinado. A hipótese foi levantada depois que a mãe dele apresentou duas versões para a morte do filho.
Os policiais foram até a casa dos pais da criança, após receberem a denúncia de que uma criança teria sido enterrada. Ana Paula Rodrigues Maia, de 24 anos, disse aos policiais que ele havia comido uma "mandioca do mato" e passado mal.
A mãe afirmou que levou o filho a um hospital, onde ele acabou morrendo intoxicado. No entanto, os militares ligaram para a unidade de saúde. A versão da mãe foi desmentida. Pressionada, a jovem deu outra versão e, argumentou que o filho caiu em um poço, bateu a cabeça e morreu e que, por isso, ela e o marido resolveram enterrá-lo no quintal.
Os militares aguardaram o pai do menino chegar em casa e prendeu os dois. Ana Paula e Antônio Alecson Matias Maia, de 34, ajudaram os policiais a desenterrarem o corpo do filho da cova. O cadáver da criança foi levado ao Instituto Médico-Legal (IML).
A polícia revelou que além das versões distintas contadas pela mulher, o casal possuía meios, como telefone e vizinhos, que poderiam ter sido usados para chamar por socorro, caso a criança tivesse, de fato, se acidentado. Com isso, há possibilidade de que o garoto possa ter sido assassinado. (www.hojeemdia.com.br)